Quais os sintomas de gordura visceral

Tempo de leitura: 3 min

Escrito por
em 10/02/2024

Compartilhe

1. O que é gordura visceral?

A gordura visceral é um tipo de gordura que se acumula na região abdominal, envolvendo os órgãos internos como o fígado, o pâncreas e os intestinos. Diferente da gordura subcutânea, que se localiza logo abaixo da pele, a gordura visceral está mais profundamente inserida no corpo e pode representar um risco para a saúde.

2. Quais são os sintomas da gordura visceral?

A gordura visceral não apresenta sintomas específicos, o que torna seu diagnóstico mais difícil. No entanto, é possível identificar alguns sinais que podem indicar a presença desse tipo de gordura no organismo. Entre os principais sintomas estão:

3. Aumento da circunferência abdominal

Um dos sinais mais evidentes da gordura visceral é o aumento da circunferência abdominal. Quando a pessoa acumula gordura nessa região, a barriga tende a ficar mais protuberante e inchada. É importante ressaltar que o acúmulo de gordura visceral não está relacionado apenas ao excesso de peso, podendo afetar também pessoas magras.

4. Resistência à insulina

A gordura visceral está associada à resistência à insulina, um problema que dificulta a entrada da glicose nas células, elevando os níveis de açúcar no sangue. Esse quadro pode levar ao desenvolvimento de diabetes tipo 2 e outras complicações metabólicas.

5. Alterações nos níveis de colesterol e triglicerídeos

Outro sintoma da gordura visceral é a alteração nos níveis de colesterol e triglicerídeos. O acúmulo de gordura nessa região pode levar ao aumento do colesterol ruim (LDL) e dos triglicerídeos, além da diminuição do colesterol bom (HDL), aumentando o risco de doenças cardiovasculares.

6. Pressão arterial elevada

A gordura visceral também está relacionada à pressão arterial elevada. O excesso de gordura na região abdominal pode levar ao aumento da resistência vascular, dificultando a circulação sanguínea e elevando a pressão arterial.

7. Inflamação crônica

A gordura visceral é um importante fator de risco para a inflamação crônica no organismo. O acúmulo de gordura nessa região libera substâncias inflamatórias que podem levar ao desenvolvimento de doenças como a esteatose hepática não alcoólica, aterosclerose e até mesmo alguns tipos de câncer.

8. Problemas respiratórios

Além dos problemas metabólicos, a gordura visceral também pode afetar a saúde respiratória. O excesso de gordura na região abdominal pode comprimir os pulmões e o diafragma, dificultando a respiração e causando falta de ar.

9. Distúrbios do sono

Estudos mostram que a gordura visceral está associada a distúrbios do sono, como a apneia obstrutiva do sono. O acúmulo de gordura na região abdominal pode comprimir as vias respiratórias durante o sono, causando pausas na respiração e interrupções no descanso.

10. Problemas de fertilidade

A gordura visceral também pode afetar a fertilidade, tanto em homens quanto em mulheres. O excesso de gordura nessa região pode levar a alterações hormonais que prejudicam a produção de óvulos e espermatozoides, dificultando a concepção.

11. Doenças hepáticas

A gordura visceral está diretamente relacionada ao desenvolvimento de doenças hepáticas, como a esteatose hepática não alcoólica. O acúmulo de gordura no fígado pode levar à inflamação e ao desenvolvimento de cicatrizes, comprometendo a função hepática.

12. Risco aumentado de câncer

Estudos mostram que a gordura visceral está associada a um maior risco de desenvolvimento de alguns tipos de câncer, como o câncer de cólon, mama e próstata. O acúmulo de gordura nessa região libera substâncias inflamatórias que podem estimular o crescimento de células cancerígenas.

13. Como reduzir a gordura visceral?

A redução da gordura visceral envolve a adoção de um estilo de vida saudável, que inclui uma alimentação equilibrada, prática regular de exercícios físicos e controle do estresse. É importante destacar que a perda de peso como um todo contribui para a redução da gordura visceral, mas é necessário focar em estratégias específicas para esse tipo de gordura, como exercícios aeróbicos e treinamento de força.

Compartilhe

Você vai gostar também: